Febre Maculosa: 33 casos já foram identificados no Paraná

Em Paranaguá, já são cinco casos registrados de febre maculosa / Foto: reprodução

A Secretaria do Estado da Saúde (SESA) promoveu nesta quarta-feira (29) uma capacitação profissional na 1ª Regional de Saúde de Paranaguá, para que os profissionais atualizem as informações sobre o manejo clínico, assistência e diagnóstico da febre maculosa. No Paraná já são 33 casos desde o início deste ano.

O que é a Febre Maculosa?

É uma doença febril infecciosa que é transmitida pelo carrapato-estrela, uma espécie encontrada em locais próximos a mata e com elevada umidade. Além de estar presente nessas proximidades, este carrapato se aloja em animais como bois, cavalos, capivaras e cachorros e é a partir disso que entra em contato com as pessoas.

Se liga: Guaraqueçaba: TCE-PR multa prefeito por não prestar informações sobre pessoal

De acordo com a Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da SESA, a doença já foi confirmada em alguns municípios do Paraná, como: Paranaguá (5), de Jacarezinho (1) e na Região Metropolitana (1). As notificações ocorreram também nas Regionais de Cascavel, Campo Mourão, Maringá, Londrina, Cornélio Procópio, Toledo e Ivaiporã.

FEBRE MACULOSA: 33 CASOS JÁ FORAM IDENTIFICADOS NO PARANÁ RÁDIO DIFUSORA MAIS FM
Em Paranaguá, já são cinco casos registrados de febre maculosa / Foto: reprodução

Como acontece a transmissão:

A transmissão da febre maculosa em seres humanos acontece por meio da picada do carrapato infectado, que adere à pele por um período de quatro a seis horas. Os casos registrados apontam pessoas que se expõem ou trabalham em áreas de mata, com prevalência de homens.

Depois de instalada, a doença apresenta como sinal característico manchas avermelhadas na pele. Os sintomas são febre alta, dor no corpo, dor de cabeça, náuseas e vômito.

Soube dessa? Aplicativo brasileiro que traduz português para libras ganha prêmio do Google

O diagnóstico é feito por exame de sangue e a demora para identificar a doença pode provocar complicações graves, como hemorragia e comprometimento de múltiplos órgãos. Outras consequências, ainda, são sequelas neurológicas, necroses e amputações ou até evoluir para óbito.

A partir da suspeita da febre maculosa, o caso deve ser notificado às autoridades sanitárias e iniciado o tratamento com medicamentos disponíveis nos serviços de saúde.

Produção de áudio: Marcio Guimarães / Produção textual: Maria Heifer – Rádio Difusora Mais FM

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *