admin

Padre Parron Defende o Movimento “Pró-vida”

Diante da discussão no STF sobre a possibilidade de aprovar o aborto até a 12ª. semana de gestação, o Padre Joaquim Parron, doutor em Teologia Moral, em nome do Santuário do Rocio e dos Redentoristas, manifestou às comunidades o parecer da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) na defesa dos nascituros e contra qualquer atentado a vida humana.

Segundo padre Parron a ciência comprova que a partir da fecundação, o embrião humano já tem uma nova vida, “e a vida deve ser defendida” enfatiza. “Aqui não reside apenas uma questão religiosa, mas a própria verdade científica comprova a existência de vida humana a partir da concepção. Defender a pró-vida e ser contra o aborto é também uma questão ética”, afirma o Redentorista.

“A bioética católica defende a VIDA na sua integralidade, inviolabilidade e dignidade, desde a concepção até a morte natural. Quando uma sociedade perde os seus valores a vida vai se tornando vulnerável e o respeito pela dignidade vai diminuindo. Nesse panorama, com a falta de respeito pela vida do outro, a violência vai aumentando. Por isso, é necessário que o respeito e o valor da vida sejam fundamentados desde o início, no momento da concepção”, explica.

“Quando grupos defendem no STF o aborto até a 12ª semana afirmando ser um direito da mulher, deixam de considerar o “direito” desta Vida humana desenvolvendo-se, com um coração batendo, rins, estômago, fígado funcionando. Temos aí uma vida frágil, vulnerável que não tem como se defender”, continua o religioso.

Para o padre Parron, a Igreja, como presença de Cristo, é profundamente misericordiosa e por isso defende a vida e todas as pessoas vulneráveis. A sociedade deve seguir o caminho de acolhimento a TODOS, para que se fortaleça a dignidade da vida humana e a superação de todos os tipos de violência. “Defender a vida é defender o mais fundamental de todos os direitos” conclui o Reitor.

*Padre Joaquim Parron é Missionário Redentorista, há 38 anos, Doutor em Ética Teológica e Ciências Sociais, Mestre em Pedagogia Universitária, Especialista em Filosofia do Direito e autor de “Novos paradígmas pedagógicos”, pela Paulus (na 5a. edição) e “Moral Catechesis and Catholic Social Teaching”, pela editora do UPA (EUA). Professor na PUC/Curitiba e atual reitor do Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio, em Paranaguá.

(Pascom Santuário Estadual de NSra do Rocio)

Compartilhar:

Ministério de Saúde alerta: Há 1.100 casos de sarampo confirmados no país

Segundo o Ministério, os surtos de sarampo, doença que estava erradicada no Brasil desde 2016, estão relacionados à importação do vírus da Venezuela

Foto: Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (8) que há 1.100 casos de sarampo confirmados no país, sendo 1.069 somente em Roraima e no Amazonas, Estados que passam por surto da doença. O número de mortes permanece o mesmo da semana passada – cinco no total, sendo quatro em Roraima e uma no Amazonas. Tratam-se de três venezuelanos e dois brasileiros (um bebê indígena yanomami de 9 meses e um bebê de 7 meses).

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite e Sarampo começou na última segunda-feira (6) e segue até 31 de agosto. O Dia D de mobilização nacional está marcado para o dia 18 (sábado), quando mais de 36 mil postos de saúde estarão abertos no país. No total, 11,2 milhões de crianças devem ser vacinadas.

A meta é imunizar pelo menos 95% do público-alvo, numa tentativa de reduzir a possibilidade de retorno da pólio e a chamada reemergência do sarampo, doenças já eliminadas no Brasil. Em 2017, dados preliminares apontam que a cobertura no Brasil foi de 85,2% na primeira dose contra o sarampo (tríplice viral) e de 69,9% na segunda dose (tetra viral).

Foto: Ministério da Saúde.

Todas as crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos devem ser levadas aos postos de vacinação, independentemente da situação vacinal. Amazonas é o Estado com mais casos da doença. São 788 confirmados e 5.058 em investigação. Já Roraima confirmou 281 casos e 111 estão em investigação.

A campanha nacional de vacinação contra o sarampo, e também contra a poliomielite, começou na última segunda-feira (6) em todo o país; em Roraima e no Amazonas, a campanha já havia iniciado em março com redução da recomendação da vacina de sarampo para 6 meses de idade, nos demais Estados é a partir de 1 ano.

Segundo o Ministério, os surtos de sarampo, doença que estava erradicada no Brasil desde 2016, estão relacionados à importação do vírus da Venezuela. O vírus de genótipo D8 que está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela.

 

Vacina contra o sarampo tem duas doses

A vacina contra o sarampo engloba duas doses. A primeira dose é da tríplice viral, que protege também contra caxumba e rubéola e deve ser dada logo após a criança completar 1 ano. A segunda dose é a tetraviral, que inclui a proteção à varicela (a catapora), aos 15 meses (1 ano e três meses de vida).

Foto: Ministério da Saúde.

Caso haja atraso na vacinação, crianças de até 4 anos ainda poderão receber as vacinas. Quem não foi vacinado e não teve a doença entre 5 e 29 anos de idade deve tomar duas doses da vacina tríplice viral. Pessoas não vacinadas e que também não tiveram a doença entre 30 e 49 anos devem receber apenas uma dose, segundo a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, que pode ser transmitida de maneira direta, em contato com as secreções da pessoa contaminada ao tossir, espirrar e falar e, indireta, por meio do ar. Basta estar no mesmo ambiente para ser infectado.

Os principais sintomas são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite e manchas vermelhas no corpo. Entre as complicações estão a pneumonia e a encefalite.

Vacina da pólio é composta por cinco doses

 

Já a imunização contra a poliomielite é composta por cinco doses de vacina. As duas primeiras doses, aos 2 e 4 meses de idade, são injetáveis. As outras duas, aos 6 meses, 15 meses e 4 anos, são por via oral, as famosas gotinhas.

A poliomielite, também chamada de paralisia infantil, é transmitida pelas secreções ou fezes da pessoa infectada. O vírus é eliminado pelas fezes e pode contaminar a água e alimentos.

Crianças pequenas, que ainda não adquiriram completamente hábitos de higiene, correm maior risco de contrair a doença, segundo a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Foto: Ministério da Saúde.

Entre os sintomas estão febre, mal-estar e rigidez na nuca. A infecção pode afetar o sistema nervoso, levando à flacidez muscular e paralisando braços e pernas de maneira irreversível.

A cobertura vacinal contra a poliomielite caiu 20 pontos percentuais nos últimos anos. De 100% em 2011 foi para 78% em 2017, ano do último balanço do Ministério da Saúde.

Em relação ao sarampo, que, com a pólio, integra a campanha nacional de vacinação que começa nesta segunda-feira (6), também houve queda, que chega a 30 pontos percentuais – em 2017, a cobertura da primeira dose foi de 85% e da segunda, de apenas 70%.

Foto: Ministério da Saúde.
Foto: Ministério da Saúde.
Compartilhar:

Estupro coletivo, importunação sexual e vingança pornográfica passam a ter pena maior

O projeto agora segue para sanção do presidente Michel Temer. Todos os crimes contra a liberdade sexual e crimes sexuais contra vulneráveis terão a ação movida pelo Ministério Público

O Senado aprovou nesta terça-feira, 7, um projeto de autoria da própria Casa, que havia recebido modificações na Câmara dos Deputados, prevendo uma série de mudanças nos crimes contra a dignidade sexual. Entre elas, está o aumento da pena para estupro cometido por duas ou mais pessoas, o estupro coletivo, e também a criação dos crimes de “importunação sexual”, como masturbação em transporte público como visto em casos recentes, e a divulgação sem consentimento de cenas de sexo, a “vingança pornográfica”.

O projeto agora segue para sanção do presidente Michel Temer. O PLS 618/2015, da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), tramitou na Câmara em conjunto com outras iniciativas. O substitutivo (SCD 2/2018), da deputada Laura Carneiro (DEM-RJ), incorporou trechos de projetos do senador Humberto Costa (PT-PE) e da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), de acordo com informações das agências Câmara e Senado de notícias.

Para o crime de estupro coletivo, o projeto aumenta a pena previsto em lei, que atualmente é de um quarto, para até dois terços da pena. O mesmo aumento é estipulado para o chamado “estupro corretivo”, caracterizado como tendo um intuito “punitivo”, feito para controlar o comportamento social ou sexual da vítima.

Outra mudança considerada importante é que todos os crimes contra a liberdade sexual e crimes sexuais contra vulneráveis terão a ação movida pelo Ministério Público mesmo quando for maior de 18 anos. Esse tipo de ação, chamada de incondicionada, não depende do desejo da vítima de entrar com o processo contra o agressor.

Importunação sexual

Já para a importunação sexual, o projeto prevê um tipo penal de gravidade média, para os casos em que o agressor não comete tecnicamente um crime de estupro, mas não deve ser enquadrado em uma mera contravenção, como vinha acontecendo em casos recentes. Os senadores Humberto Costa e Marta Suplicy, autores dos projetos que tinham esse objetivo, citaram como exemplo os casos de assédio a mulheres do transporte coletivo.

Esse crime é caracterizado, de acordo com o projeto, como a prática, na presença de alguém e sem sua anuência, de ato libidinoso com o objetivo de satisfazer lascívia própria ou de outro. A pena é de reclusão de 1 a 5 anos se o ato não constitui crime mais grave.

 

Vingança pornográfica

Ainda segundo o texto, poderá ser punido com reclusão de 1 a 5 anos quem oferecer, vender ou divulgar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outro tipo de registro audiovisual que contenha cena de estupro ou de estupro de vulnerável. Incorre no mesmo crime quem, sem consentimento, divulgar vídeo com cena de sexo, nudez ou pornografia ou ainda com apologia à prática de estupro.

Se o crime for praticado por alguém que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou tiver como finalidade a vingança ou humilhação, o aumento será de um terço a dois terços da pena.

 

Vulnerável

No caso do estupro de vulnerável (menores de 14 anos ou pessoas sem discernimento por enfermidade ou deficiência mental), o projeto determina a aplicação da pena de reclusão de 8 a 15 anos mesmo que a vítima dê consentimento ou tenha mantido relações sexuais anteriormente ao crime.

É criado, ainda, o crime de induzir ou instigar alguém a praticar crime contra a dignidade sexual, com pena de detenção de 1 a 3 anos. Sujeita-se à mesma pena aquele que, publicamente, incita ou faz apologia de crime contra a dignidade sexual ou de seu autor. A intenção da deputada Laura Carneiro foi de coibir, por exemplo, sites que ensinam como estuprar e indicam melhores locais para encontrar as vítimas.

Compartilhar:

Consulta do terceiro lote do IR é liberada hoje

As restituições contemplam 2.852.737 contribuintes.

A partir das 9h desta quarta (8/8), será possível consultar o terceiro lote de restituições do Imposto de Renda de 2018. O contribuinte deve acessar o site da Receita para saber se teve a declaração aceita. O lote também inclui restituições entre os anos de 2008 e 2017 que passaram pela malha fina, mas que foram normalizadas (confira tabela abaixo). Os pagamentos ocorrem a partir da quarta-feira da semana que vem (15/8), representando a injeção de R$ 3,6 bilhões na economia. As restituições contemplam 2.852.737 contribuintes.

O usuário deverá acessar a página da Receita na internet ou ligar para o Receitafone 146 para saber se a declaração foi liberada. Há também a possibilidade de consultar as declarações do IRPF por um aplicativo para tablets e smartphones. Uma vez paga, a restituição fica disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não resgatar o montante durante o período, deverá requerer a restituição pela internet. Se o valor não for creditado, o usuário deverá contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil.

Compartilhar:

Senado Federal cria Cartilha Lei Maria da Penha

A cartilha foi criada para informar melhor a mulher acerca dos seus direitos protetivos e o que deve fazer se for vítima de agressão.

Estamos diante de 12 anos da criação da Lei Maria da Penha e muitas coisas ainda precisam evoluir. Essa Lei, foi um marco fundamental para a proteção da mulher em nosso país, porém há muito o que se fazer para que essa proteção da mulher ocorra de maneira eficaz.

A cada 2 segundos uma mulher é vítima de violência verbal ou física somente no nosso país. Segundo o Relógio da Violência Contra Mulher, mais de 27.500 mulheres já foram violentadas hoje e esses números só tendem a crescer conforme o passar das horas.

Pensando nisso, o Senado Federal lançou hoje a chamada “Cartilha Lei Maria da Penha”, que tem em seu conteúdo, perguntas e respostas mais frequentes acerca deste tema e tem como principal objetivo, informar a mulher sobre os tipos de violência que a mesma poderá estar sofrendo e as medidas que devem ser tomadas.

Conforme este pequeno trecho retirado da cartilha:

Há 17 anos a Constituição brasileira já consagrava a igualdade entre homens e mulheres. Infelizmente entre o enunciado constitucional e a dura realidade social ainda há um abismo, em que pesem as iniciativas do legislador. Comandos legais que buscam valorizar a mulher, livrando-a dos preconceitos e da inferioridade, estão por todo o campo normativo. Porém, a luta pelo fim da violência doméstica permanece um problema que exige empenho, pois deixa marcas não apenas na mulher, mas também em crianças e jovens. Conduzi, pessoalmente, a sessão plenária que aprovou a Lei Maria da Penha, Lei 11.340 de 2006, em 12 de julho de 2006, ciente de que seria um mecanismo primordial para proteção da família. Estudo patrocinado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em março deste ano, mostra que a Lei Maria da Penha fez diminuir em cerca de 10% a taxa de homicídio.

A Lei Maria da Penha é fundamental contra as mulheres dentro dos lares. Contudo, essa redução não se deu de forma uniforme pelo país, principalmente, porque vários serviços de proteção às vítimas não estão institucionalizados. Após quase uma década de existência da Lei Maria da Penha, estou convencido de que nunca será perdido qualquer esforço na prevenção e repressão da violência doméstica, e ainda há muito o que fazer. Com esta cartilha, ampliamos os instrumentos elucidativos na esperança de que a sociedade avance rumo a uma convivência, definitivamente, igualitária e de paz.

Uma a cada cinco brasileiras é vítima de violência doméstica ou familiar. 75% das agressões são praticadas por homens com quem as mulheres têm ou tiveram relação afetiva. 66% das vítimas sofrem violência física. Estes dados são da Pesquisa sobre violência doméstica e familiar contra a mulher, realizada pelo DataSenado e divulgada em agosto de 2015. O Brasil ocupa o 7º lugar no vergonhoso ranking mundial dos países com mais crimes praticados contra mulheres. Estamos falando de uma triste realidade que pode e deve mudar.

Por isso, vamos espalhar essa ideia, vamos deixar todas as mulheres mais informadas, juntas somos mais fortes contra a violência.

Para ter acesso a cartilha, clique no link abaixo:

https://www12.senado.leg.br/institucional/procuradoria/proc-publicacoes/cartilha-lei-maria-da-penha-perguntas-e-respostas

Compartilhar:

Nova proposta do Enem pode ser apresentada ainda este ano

As mudanças devem começar a ser aplicadas apenas após 2020.

Um novo modelo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderá ser apresentado ainda este ano, segundo o ministro da Educação, Rossieli Soares. O formato dependerá, no entanto, da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio, atualmente em discussão no Conselho Nacional de Educação (CNE). As mudanças devem começar a ser aplicadas apenas após 2020.

A mudança acontecerá a partir da BNCC, que escolherá o conteúdo mínimo que deverá ser ensinado em todas as escolas do país. Uma possibilidade é que haja modelos diferentes de provas para avaliar os itinerários formativos estabelecidos no novo ensino médio.

Pelo novo ensino médio, sancionado no ano passado, parte do currículo da etapa de ensino, o equivalente a 1,8 mil horas deverá ser destinado ao conteúdo da BNCC. O restante do tempo, que varia de acordo com a rede de ensino, será destinado à formação específica. Os estudantes poderão escolher entre o aprofundamento em linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico.

O ministro também disse ser necessária uma adequação da formação do ensino médio, que não pode ser voltada apenas para que os estudantes se saiam bem no Enem.

 

Compartilhar:

Fake News: Oferta de 20GB de internet repassada por WhatsApp é falsa

Em apenas uma hora, foram mais de 2.600 acessos ao link proposto no texto

Uma mensagem falsa com oferta de internet grátis está circulando via WhatsApp, segundo monitoramento da empresa de cibersegurança PSafe. “Os cibercriminosos se aproveitam do fato de 69% da população brasileira se conectar à internet via smartphone para atraírem a atenção da população”, informou a PSafe.

Como funciona o golpe

Ao clicar no link, o usuário é direcionado para uma página na qual ele é informado de que foi selecionado para ganhar até 20GB de internet. Nesta página, o usuário é orientado a responder três perguntas: “Quantos dias de internet gratuita você deseja ativar?”, “Quantos GB você gostaria de receber de sua operadora?” e “Qual rede você gostaria de ativar?”. Após responder à última pergunta, a pessoa é informada que, para ativar o pacote gratuito de até 20GB de internet, ela deverá compartilhar a mensagem com três amigos ou grupos de WhatsApp. Após o compartilhamento, a suposta oferta de internet móvel estaria disponível em até cinco minutos para o usuário. No entanto, ao invés disso, surge uma página de alerta no celular da vítima informando supostos problemas no celular e sugerindo o download de aplicativos maliciosos.

 

Saiba como se proteger:

Primeiro, é recomendado manter habilitada a opção de segurança que inibe download de aplicativo não relacionado à loja oficial do dispositivo. Também é importante verificar se o endereço apresentado é de fato da empresa que afirma ser (verificar o cadeado de segurança no navegador, ao lado esquerdo na barra de endereço da página, e o destino do site acessado). Se for necessário preencher um formulário ou atualizar um cadastro, ligue para a empresa para verificar a veracidade da campanha. E, por fim, mantenha o antivírus atualizado.

 

 

Compartilhar:

Alexandre Motta e Thiago Campos reforçam equipe de jornalismo da Difusora Mais

Dois jornalistas capacitados e cheios de energia para trazer aos ouvintes as melhores informações diretamente no seu rádio e nas mídias sociais.

Larry Cesar, Alexandre Motta, Thiago Campos e Claudio Rodrigues nos estúdios da Rádio Difusora Mais FM 104.7.

A equipe da Difusora Mais FM está de cara nova. Mais dois grandes profissionais passam a integrar a equipe de jornalismo da emissora. Alexandre Motta e Thiago Campos passam a complementar a programação da FM 104.7, trazendo notícias em tempo real e com a credibilidade que a marca Difusora Mais FM proporciona.
A partir de hoje a grade de programação estará mais completa com esses dois talentos do jornalismo, que chegam para reforçar ainda mais a equipe, tanto no ar quanto nas mídias sociais. Além de site e Fan page, todas as mídias que levam a marca Difusora Mais FM.
Thiago Campos e Alexandre Motta estiveram nos estúdios da emissora na manhã desta segunda feira (6) e falaram sobre o novo desafio. “É uma honra integrar essa equipe maravilhosa, uma emissora tão tradicional, que traz a informação com credibilidade e qualidade. Por isso, estou muito feliz pelo convite. A partir de hoje, estaremos à disposição para trazermos sempre as melhores informações para os ouvintes da Difusora Mais FM”, destaca Thiago Campos.

Alexandre Motta e Claudio Rodrigues nos estúdios da Rádio Difusora Mais FM 104.7.

Alexandre Motta falou da importância da emissora no contexto informativo no litoral paranaense e nas demais cidades. “A poderosa Rádio Difusora aumentou a responsabilidade, além de toda a tradição da rádio, estamos alcançando mais cidades e vamos trabalhar muito para cumprir com o nosso papel social de bem informar nossos ouvintes.” afirmou.
Os dois jornalistas já faziam parte da emissora coordenando o programa Esporte Total, das 18h às 19h. Com a chegada dos profissionais, a equipe de jornalismo passa a ser composta por Larry Cesar, Claudio Rodrigues, Ronaldo Martins, Maria de Fátima Heifer, Marcio Guimarães, Mario Micoskz, Alexandre Motta e Thiago Campos.
Eles farão participações na programação no período da tarde e serão um grande reforço no dinamismo e credibilidade da informação. “Hoje a notícia propaga-se rapidamente em razão das mídias sociais e é obrigação dos veículos de comunicação e dos seus profissionais que estejam sempre atentos a tudo que acontece e que possam fazer tudo isso com credibilidade e responsabilidade.” disse Thiago Campos, enfatizando o fato da Rádio Difusora Mais FM ser referência no litoral e em outras diversas cidades que está alcançando.

Thiago Campos e Claudio Rodrigues nos estúdios da Rádio Difusora Mais FM 104.7.

Ressalta também que a rádio faz a diferença pelo fato de transmitir a notícia com credibilidade, pois muitos passam o conteúdo pela metade ou muitas vezes propagam as Fake News e, por esta razão, as pessoas procuram um veículo de referência para ter a certeza que a informação que foi passada é ou não correta: “E qual é o veículo de informação que as pessoas estão procurando hoje em dia para ver se a noticia é verdadeira ou não? O site da Rádio Difusora Mais FM, pois aqui o jornalismo é sério e com credibilidade.”
Thiago Campos é formado em Jornalismo pela Universidade Tuiuti do Paraná, já trabalhou na Assessoria de Imprensa Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), no Jornal Folha do Litoral, em uma outra emissora de rádio onde coordenou a área jornalística, atuou em várias campanhas eleitorais e também na assessoria de comunicação da Câmara Municipal de Paranaguá.
Alexandre Motta falou a respeito desta evolução, das mudanças que ocorreram em um mundo recheado de sites e blogs que muitas vezes não passam a informação de forma correta e a responsabilidade que os profissionais da Difusora Mais tem. “O leitor sempre vai convergir para uma grande marca e hoje a informação está disseminada em várias mídias sociais e a notícia chega para as pessoas de muitas maneiras. Hoje em dia o ouvinte escuta ou até mesmo lê uma notícia e vai buscar a informação em um veículo de qualidade para ver se realmente é verídica e a Difusora Mais FM está passando essa confiança.” salienta.
Segundo Motta, a Rádio Difusora Mais FM está em todas as plataformas e mídias sociais, levando a melhor informação para o ouvinte, seja no facebook, twitter, instagram, whatsapp, a Difusora Mais está lá: “Se não estiver passando alguma notícia no momento em que o ouvinte ligar o rádio, o mesmo só precisa colocar no nosso site, facebook, instagram e verá que nosso site estará atualizado com as últimas notícias. Chegamos para completar ainda mais essa informação, essa equipe maravilhosa que a Rádio Difusora Mais FM possui.” Enfatiza.

Equipe nos estúdios da Rádio Difusora Mais FM 104.7.

Alexandre Motta estudou jornalismo na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), trabalhou em rádio também em Ponta Grossa, na Lagoa Dourada, no Jornal da Manhã e outros veículos. No meio publicitário, trabalhou como criador de agência de comunicação, atuou na Folha do Litoral ao chegar em Paranaguá em 2003 e na antiga rádio Globo e muitos desses profissionais reencontrou aqui na Difusora Mais FM. “Então digo que os melhores estão aqui como Larry Cesar, Marcio Guimarães, Thiago Campos, e grandes outros nomes do rádio.”
Portanto a partir de hoje, esses dois excelentes profissionais estão integrando a equipe da Rádio Difusora Mais FM para deixar ainda mais completo nossos jornais e deixar você, querido ouvinte e leitor bem mais informado e claro, tudo isso com responsabilidade e credibilidade.

Compartilhar:

Dicas para escolher porcelanatos e revestimentos

Os pisos estão sempre em alta em vários cômodos da casa

Ao procurar por imóveis que estão à venda ou para locação, um dos quesitos que os clientes mais verificam são as condições do piso e revestimento de vários cômodos da casa. Alguns imóveis já são entregues com algum tipo de piso ou azulejo na cozinha, banheiro e no piso dos cômodos, mas nem sempre eles agradam os clientes ou são de boa qualidade.

Mas afinal, quais são as opções e como escolher o melhor porcelanato e revestimento para reformar a casa. São diferentes tipos de cores, texturas e tamanhos que estão disponíveis no mercado. Diante de tantas possibilidades para ajudar na sua reforma ou construção separamos algumas dicas interessantes que podem ajudar na hora da escolha. Vamos lá?

 

Diferenças entre revestimento e porcelanato

Esse é ponto de partida ideal para começar a definir qual o produto será utilizado na sua obra. Por exemplo, você pegou as chaves do seu apartamento em Paranaguá e agora precisa fazer todo o acabamento e decoração para se mudar. Vem a dúvida, qual é o melhor tipo de piso para se utilizar?

 

Revestimento

A diferença crucial entre os pisos está no tipo de produção. A cerâmica é o mais antigo e tradicional tipo de revestimento utilizado nas casas brasileiras. O revestimento cerâmico é produzido a partir da mistura de argila com outros compostos minerais. O processo artesanal passa pela prensagem e colocação em uma moldura para definir o tamanho, posteriormente é queimado e então a peça é submetida a secagem para receber camadas de coloração, esmalte e decoração.

 

Porcelanato

O porcelanato chega ao Brasil somente no final da década de 90, ainda importado e com restrições de uso pelo custo de aquisição. A sua composição é a base de porcelana e materiais nobres. Após o início da produção no país, o porcelanato ganhou mais espaço no mercado por ter sua produção controlada, permitindo que as peças sejam mais homogêneas, resistentes e de fácil manuseio.

Os fatores que destacaram o uso do porcelanato foram: a sua alta absorção, indicação para uso em área molhadas e de alto tráfego.

 

Qual o melhor: porcelanato ou cerâmica de revestimento?

As indicações de uso para esses dois tipos de pisos são bem semelhantes. O grande destaque do porcelanato fica para os locais com alto tráfego, porque apresentam mais resistência no uso intensivo.

O porcelanato também ganhou mais espaço pela semelhança entre as peças produzidas. Tanto em relação ao tamanho, quanto cores e acabamento, o processo mecanizado torna a produção mais controlada, então na utilização de uma linha só, o cliente pode conseguir um ambiente com peças similares.

No caso da cerâmica de revestimento, algumas peças podem ser produzidas com tamanhos e acabamentos diferenciados justamente por ser fabricada de forma artesanal. De contrapartida, para um revestimento com características mais rústicas, a cerâmica é recomendada, pois tem características bem particulares e imprime uma expressividade diferenciada na área em que foi utilizada. É possível encontrar muitos revestimentos rústicos por exemplo quando visita os imóveis em Matinhos.

 

Como definir qual tipo de piso utilizar em áreas específicas

O primeiro passo é definir quais áreas da residência receberão a aplicação de algum tipo de revestimento. Definindo o local onde o porcelanato será aplicado, é preciso respeitar as características específicas de cada tipo de ambiente.

O modelo mais adequado deve levar em consideração se terá alto tráfego, se é um cômodo com mais incidência ficar molhado, como os banheiros, por exemplo. Ou então, se seguira os tons de palhetas de cores utilizadas nas paredes e móveis do ambiente.

Em uma decoração, tudo deve ser pensado em conjunto para não sair uma mistura de estilos no final da reforma. Uma dica interessante é utilizar o porcelanato no formato retangular nas paredes, essa variação imprime um ar mais moderno ao ambiente.

 

O formato do piso influencia na decoração do ambiente

O tamanho de cada ambiente que receberá a instalação do porcelanato deve ser levado em consideração. As peças maiores são indicadas para cômodos maiores que traduzem mais amplitude ao ambiente. Não é indicada a aplicação desse tamanho de peça em locais menores pela quantidade de recortes necessários, que podem não imprimir beleza ao local escolhido.

Os pisos lisos, por exemplo, são indicados para locais que sofrem menos com a incidência de umidade e água. Os quartos e as salas por exemplo, já que não incorrem em risco de as pessoas escorregarem.

Para área como cozinha, banheiro e área de serviço o mais indicado é a colocação de peças antiderrapantes para evitar os escorregões. O porcelanato também deve menor grau de absorção e porosidade para evitar manchas ou problemas com as peças instaladas pelo contato contínuo com a água e umidade.

É preciso também pensar na mão de obra para a colocação desse revestimento. Os profissionais especializados fazem a cobrança por metro quadrado, e por necessitar de um trabalho manual bastante detalhado, via de regra os preços para a colocação não estão entre os mais baratos.

 

Os principais tipos de porcelanato

Porcelanato polido.

Polido

Esse modelo é o mais comercializado no Brasil e está disponível em diversas cores e formatos. Via de regra esse porcelanato tem acabamento liso, alto brilho e atraí pela facilidade na limpeza.

Porcelanato acetinado.

Acetinado

Com as mesmas similares que os demais tipos de porcelanato, o acetinado se destaca pela durabilidade e menor chances de riscos, além de ser mais fosco e com a superfície mais porosa, não se apresentando de forma tão lisa quanto o porcelanato polido.

Porcelanato esmaltado.

Esmaltado

Esse tipo de peça é mais versátil na hora da escolha. Pode ser encontrado nas linhas áspera, lisa, brilhante ou mate. O que chama a atenção é a durabilidade do esmalte em locais de alto tráfego, sendo indicado, por exemplo, para colocação em garagens de automóveis.

Gostou deste artigo com algumas dicas para te ajudar a escolher porcelanatos e revestimentos? Que tal aproveitar para compartir este artigo com os seus amigos através das suas redes sociais! Afinal, quem não pensam em reformar algum cômodo da casa?

Compartilhar: